Acesse seu e-mail

Blog

Os 20 Anos do Google Por Henrique Pufal em 02/10/2018 11:32

Na última semana o Google, a ferramenta de busca mais popular da Internet, completou o seu 20º aniversário.

A partir de um projeto acadêmico iniciado em 1995 por Sergey Brin e Larry Page, estudantes da Universidade de Stanford, a ideia era criar uma espécie de ranking dos links. Usando o mesmo conceito que existe em citações de trabalhos acadêmicos, o objetivo era contar e qualificar cada link de internet. Quanto mais citado e quanto mais importante fosse o citador, mais valioso um link seria. Este algorirmo seria chamado de "PageRank".

Em uma época em que já existia cerca de 10 milhões de documentos na web, o mecanismo de busca rapidamente se popularizou e superou outros buscadores, como o Altavista. Com servidores montados dentro do dormitório de um dos estudantes, o tráfego deste projeto acadêmico chegou a ocupar a metade da banda de internet da Universidade de Stanford.

Assim, em 1998 estes 2 estudantes resolveram abrir uma empresa, conseguiram um cheque de 100 mil dólares de um investidor e numa garagem fundaram esta que é uma das maiores empresas de tecnologia do mundo, contando com mais de 60 mil funcionários em 50 países e bilhões de usuários diários. A fortuna dos 2 fundadores é estimada em mais de 50 bilhões de dólares cada.

Em 2015, o Google mudou de nome para Alphabet e passou a obrigar uma série de iniciativas além do buscador. Dentro do Google está o YouTube, o site mais popular de vídeos na Internet, o Android, que disputa com o iOS da Apple o posto de sistema operacional mais popular nos smartphones, o navegador Google Chrome e o Google Suite, que é um conjunto de serviços de computação em nuvem para indivíduos e empresas.

Ao lado do Google está uma série de projetos mais futuristas, como uma empresa de carros autônomos, empresas voltadas para o segmento da saúde e negócios envolvendo Inteligência Artificial. Dentro deste último grupo, nos últimos anos o Google adquiriu 14 startups especializadas em Inteligência Artificial. Ou seja, aí está uma das apostas para o futuro da empresa.

Graças a esta série de iniciativas, o Google foi a segunda empresa entre as 5 gigantes de tecnologia (Apple, Amazon, Facebook, Google e Microsoft) que mais investiu em pesquisa e desenvolvimento no ano de 2017. Foram 16,6 bilhões de dólares, ficando atrás apenas da Amazon.

Apesar de tudo isso, 90% da receita da empresa ainda vem dos tradicionais anúncios embutidos nas buscas, nos banners e vídeos de anunciantes no Youtube.

O Google enfrenta uma série de desafios para o futuro, principalmente no que diz respeito à privacidade de usuários. Neste ano, com a entrada da Regulação Geral de Proteção de Dados na Comunidade Europeia (GDPR, na sigla original), o Google quase teve que pagar uma multa de 4,8 bilhões de euros. Outro ponto crítico é a entrada do mecanismo de busca na China, um país onde a Internet é controlada pelo governo.

Certamente continuaremos usando os produtos do Google por um bom tempo e cada vez de forma mais natural e integrada ao nosso dia a dia principalmente em função das ferramentas de Inteligência Artificial da empresa. Se isso será bom ou ruim para a sociedade dependerá muito da segurança e privacidade dos nossos dados.